Novas receitas

Burger King / Tim Hortons Eyes compra de Popeyes

Burger King / Tim Hortons Eyes compra de Popeyes


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Restaurant Brands International busca comprar rede de frango frito, no que seria uma fusão internacional de fast-food

A aquisição criaria efetivamente um conglomerado de fast-food que rivalizaria com a Yum! Marcas.

Você está pronto para alguns Whoppers de biscoitos da Louisiana? A empresa canadense controladora do Burger King está em negociações para comprar a rede de fast-food de frango frito Popeyes. Embora a aquisição não seja oficial, a Restaurant Brands International expressou sincero interesse na fusão, de acordo com a Reuters. O negócio criaria um alcance mais internacional para a empresa, formada em 2014 com a fusão do Burger King e do café canadense e da marca fast-casual Tim Hortons.

As empresas ainda não chegaram a um acordo sobre o preço de aquisição. Nem o Popeyes nem a Restaurant Brand International comentaram mais sobre o negócio. No entanto, com o vazamento de notícias, os mercados foram afetados: as ações da Popeyes saltaram 14% esta semana, enquanto as Restaurant Brands subiram comparativamente modestos 4%.

Só podemos esperar que a fusão leve a novos itens do menu, combinando hambúrgueres e batatas fritas do Burger King com frango e biscoitos Popeyes. A introdução de Tim Hortons parece ter influenciado o Burger King, que estreou uma nova mistura robusta de café este ano.


A venda recente do Popeyes está assustando os fãs de chefs famosos

A rede de frango frito é a favorita dos gourmets que estão preocupados que seu novo proprietário corporativo possa mudar suas queridas receitas.

Alex Van Buren

Ilustração fotográfica de Sarah Rogers / The Daily Beast

“Eu não como fast food”, diz o chef Isaac Toups do Cajun New Orleans. Exceto por “asterisco, Popeyes”.

o Top Chef O finalista e indicado ao prêmio James Beard não tem vergonha de seu amor descarado pelo frango frito no Popeyes Louisiana Kitchen. Porque? Talvez, ele pondera, seja porque "há muito mais amor nisso."

Toups não está sozinho. Popeyes pode ser o fast food de criptonita para a atual geração de chefs famosos que declararam publicamente sua fraqueza pelo frango super crocante da rede. O chef David Chang do Momofuku é um grande fã. Anthony Bourdain também.

Alguém poderia argumentar que não é um amor puramente racional e é uma obsessão limítrofe. “Algumas pessoas diriam que Bojangles’ é melhor ”, cometo o erro de mencionar a Toups, pensando no afeto do chef Ashley Christensen de Raleigh pelo estabelecimento de frangos da Costa Leste.

“Essas pessoas estão erradas”, desabafa Toups, alarmado. “Essas pessoas estão erradas, e esse é o fim da história.”

Momentos depois, ele admite, um pouco desanimado, "Eu nunca comi Bojangles '."

Eu trago outro ponto sensível. Restaurant Brands International, a enorme corporação que possui Burger King e Tim Hortons, acabou de comprar Popeyes algumas semanas atrás - por US $ 1,8 bilhão, o que compraria uma miríade de caixas de frango de três peças - e Toups está entre os fiéis dos Popeyes que estão em um um pouco de pânico de que as coisas possam mudar.

Este não é um debate acadêmico. A Toups é cliente regular da cadeia de restaurantes. Ele e sua esposa estão criando seus filhos com refeições caseiras, o que eles trazem para casa de seus dois restaurantes - Toups 'Meatery e Toups South - e, claro, um banquete mensal de Popeyes fortificante.

“Sempre pego três pedaços de carne escura picante com purê de batata”, diz ele. “Minha esposa ganha tiras enegrecidas com feijão verde, e meus filhos ganham uma grande pilha de assados ​​de frango.”

Ele me instrui que o melhor é comer purê de batata misturado com molho e pedacinhos de pele de frango frito torrados. Ele me informa que a melhor parte do biscoito é a crosta, que é onde se esconde todo o sabor da manteiga. E ele acrescenta: “Se eu voltar para casa sem uma pilha de mostarda Mardi Gras ... Isaac Toups vai voltar para Popeyes”.

Agora Eu estou ficando preocupado. "Mostarda Mardi Gras?" Nunca ouvi falar desse condimento. Estou perdendo algum item secreto fora do menu? Afinal de contas, Popeyes era a base de minha dieta frugal quando morei em um estúdio com aluguel estabilizado no centro do Brooklyn por oito anos de vida difícil, dos meus vinte e trinta anos. Eu voltaria para casa tarde e compraria um peito de frango - um idiota ingênuo, optei por carne branca, e nem especifiquei leve ou picante - e um biscoito. Era uma caminhada de dois minutos do meu apartamento e o antídoto para certas ressacas. Eu estava grato por sua proximidade e seus poderes para absorver álcool, mas a comida era realmente boa? Ou eram apenas minhas memórias cor de rosa tarde da noite?

Então, embora já fizesse anos, eu tive que voltar e fazer Popeyes corretamente com, naturalmente, mostarda Mardi Gras. Em uma noite de 20 graus, alguns dias após a notícia da aquisição, meu namorado e eu embarcamos em um ônibus do Brooklyn que ia de porta em porta para um Popeyes a 2 milhas de distância. O ônibus parou no trânsito. Meu namorado começou a murmurar tristemente sobre frango frito por baixo de suas muitas camadas. Nós rolamos vorazes e gelados. Quatro pedaços de frango escuro, picante, por favor, mais purê de batata e todos os molhos que tinham atrás do balcão. Além disso, aquela caixa de $ 5 de camarão frito.

“Vou pegar meu próprio biscoito?” meu namorado perguntou, alarmado. Ele é da Flórida e teve sua cota de Popeyes. (Sim querido.)

As caixas de frango foram colocadas em nossa bandeja de plástico azul do refeitório em poucos minutos. Os biscoitos estavam quentes e fofos. A mostarda Mardi Gras, ao que parece, é uma mistura apimentada de maionese e mostarda, e muito boa. O frango estava quente e suculento - Toups acha que Popeyes foi um dos primeiros a fazer o jogo de frango com CVap (tecnologia de vapor controlado), embora ele não tenha certeza - e a pele estava tão boa quanto eu me lembrava: pequenos estalidos, salgados e super crocantes. Dividir nosso pássaro entre o molho de leitelho (um remendo de molho de rancho) e a picante mostarda Mardi Gras provou ser o caminho a percorrer. O purê de batata ainda tem gosto de produtos químicos, mas os pedaços de pele de frango frito ajudam. Os camarões eram camarões e, portanto, desapareceram rapidamente.

Honestamente, é só isso prazeroso na Popeyes Louisiana Kitchen, comecei a pensar. Essas paredes laranja! Aquela música maluca de trompete que me lembra de New Orleans! Mas talvez não tenhamos comido frango suficiente. Duas peças foram suficientes? Outra caixa de três peças? Outro quarteto? Isso é loucura?

“Talvez devêssemos apenas levantar e tentar andar por um segundo,” propus. Meu namorado concordou e nós formamos camadas. Meu casaco de repente estava um pouco mais apertado em volta da minha barriga.

“Talvez devêssemos simplesmente sair daqui o mais rápido que pudermos,” eu disse.

"Merda, cara", disse meu namorado quando entramos em um woomph do ar ártico. “Agora estou meio chateado por ter redescoberto Popeyes.”

Toups, por sua vez, está preocupado se a Restaurants Brands International mudará as receitas da marca, mas teremos que esperar até que a aquisição seja concluída - provavelmente nesta primavera - para ver se isso realmente acontece.

Na despedida, pergunto a ele qual é seu frango frito não-Popeyes favorito. Não demorou muito. Ele nomeia o robusto Willie Mae's Scotch House de Nova Orleans. O frango frito deles, diz ele, é "de morrer".

Mas é melhor do que Popeyes?

"Sem comentários. Você nunca começa uma luta que não pode terminar, e eu não vou começar essa merda. "


A venda recente do Popeyes está assustando os fãs de chefs famosos

A rede de frango frito é a favorita dos gourmets que estão preocupados que seu novo proprietário corporativo possa mudar suas queridas receitas.

Alex Van Buren

Ilustração fotográfica de Sarah Rogers / The Daily Beast

“Eu não como fast food”, diz o chef Isaac Toups do Cajun New Orleans. Exceto por "asterisco, Popeyes".

o Top Chef O finalista e indicado ao prêmio James Beard não tem vergonha de seu amor descarado pelo frango frito no Popeyes Louisiana Kitchen. Porque? Talvez, ele pondera, seja porque "há muito mais amor nisso."

Toups não está sozinho. Popeyes pode ser o fast food de criptonita para a atual geração de chefs famosos que declararam publicamente sua fraqueza pelo frango super crocante da rede. O chef David Chang do Momofuku é um grande fã. Anthony Bourdain também.

Alguém poderia argumentar que não é um amor puramente racional e é uma obsessão limítrofe. “Algumas pessoas diriam que Bojangles’ é melhor ”, cometo o erro de mencionar a Toups, pensando no afeto do chef Ashley Christensen de Raleigh pelo estabelecimento de frangos da Costa Leste.

“Essas pessoas estão erradas”, desabafa Toups, alarmado. “Essas pessoas estão erradas, e esse é o fim da história.”

Momentos depois, ele admite, um pouco desanimado, "Eu nunca comi Bojangles '."

Eu trago outro ponto sensível. Restaurant Brands International, a enorme corporação que possui Burger King e Tim Hortons, acabou de comprar Popeyes algumas semanas atrás - por US $ 1,8 bilhão, o que compraria uma miríade de caixas de frango de três peças - e Toups está entre os fiéis dos Popeyes que estão em um um pouco de pânico de que as coisas possam mudar.

Este não é um debate acadêmico. A Toups é cliente regular da cadeia de restaurantes. Ele e sua esposa estão criando seus filhos com refeições caseiras, o que eles trazem para casa de seus dois restaurantes - Toups 'Meatery e Toups South - e, claro, um banquete mensal de Popeyes fortificante.

“Sempre pego três pedaços de carne escura picante com purê de batata”, diz ele. “Minha esposa ganha tiras enegrecidas com feijão verde, e meus filhos ganham uma grande pilha de assados ​​de frango.”

Ele me instrui que o melhor é comer purê de batata misturado com molho e pedacinhos de pele de frango frito torrados. Ele me informa que a melhor parte do biscoito é a crosta, que é onde se esconde todo o sabor da manteiga. E ele acrescenta: “Se eu voltar para casa sem uma pilha de mostarda Mardi Gras ... Isaac Toups vai voltar para Popeyes”.

Agora Eu estou ficando preocupado. "Mostarda Mardi Gras?" Nunca ouvi falar desse condimento. Estou perdendo algum item secreto fora do menu? Afinal de contas, Popeyes era a base de minha dieta frugal quando morei em um estúdio com aluguel estabilizado no centro do Brooklyn por oito anos de vida difícil, dos meus vinte e trinta anos. Eu voltaria para casa tarde e compraria um peito de frango - um idiota ingênuo, optei por carne branca, e nem especifiquei leve ou picante - e um biscoito. Era uma caminhada de dois minutos do meu apartamento e o antídoto para certas ressacas. Eu estava grato por sua proximidade e seus poderes para absorver álcool, mas a comida era realmente boa? Ou eram apenas minhas memórias cor de rosa tarde da noite?

Então, embora já fizesse anos, eu tive que voltar e fazer Popeyes corretamente com, naturalmente, mostarda Mardi Gras. Em uma noite de 20 graus, alguns dias após a notícia da aquisição, meu namorado e eu embarcamos em um ônibus do Brooklyn que ia de porta em porta para um Popeyes a 2 milhas de distância. O ônibus parou no trânsito. Meu namorado começou a murmurar tristemente sobre frango frito por baixo de suas muitas camadas. Nós rolamos vorazes e gelados. Quatro pedaços de frango escuro, picante, por favor, mais purê de batata e todos os molhos que tinham atrás do balcão. Além disso, aquela caixa de $ 5 de camarão frito.

“Vou pegar meu próprio biscoito?” meu namorado perguntou, alarmado. Ele é da Flórida e teve sua cota de Popeyes. (Sim querido.)

As caixas de frango foram colocadas em nossa bandeja de plástico azul do refeitório em poucos minutos. Os biscoitos estavam quentes e fofos. A mostarda Mardi Gras, ao que parece, é uma mistura apimentada de maionese e mostarda, e muito boa. O frango estava quente e suculento - Toups acha que Popeyes foi um dos primeiros a fazer o jogo de frango com CVap (tecnologia de vapor controlado), embora ele não tenha certeza - e a pele estava tão boa quanto eu me lembrava: pequenos estalidos, salgados e super crocantes. Dividir nosso pássaro entre o molho de leitelho (um remendo de molho de rancho) e a picante mostarda Mardi Gras provou ser o caminho a percorrer. O purê de batata ainda tem gosto de produtos químicos, mas os pedaços de pele de frango frito ajudam. Os camarões eram camarões e, portanto, desapareceram rapidamente.

Honestamente, é só isso prazeroso na Popeyes Louisiana Kitchen, comecei a pensar. Essas paredes laranja! Aquela música maluca de trompete que me lembra de New Orleans! Mas talvez não tenhamos comido frango suficiente. Duas peças foram suficientes? Outra caixa de três peças? Outro quarteto? Isso é loucura?

“Talvez devêssemos apenas levantar e tentar andar por um segundo,” propus. Meu namorado concordou e nós formamos camadas. Meu casaco de repente estava um pouco mais apertado em volta da minha barriga.

“Talvez devêssemos simplesmente sair daqui o mais rápido que pudermos,” eu disse.

"Merda, cara", disse meu namorado quando entramos em um woomph do ar ártico. “Agora estou meio chateado por ter redescoberto Popeyes.”

Toups, por sua vez, está preocupado se a Restaurants Brands International mudará as receitas da marca, mas teremos que esperar até que a aquisição seja concluída - provavelmente nesta primavera - para ver se isso realmente acontece.

Na despedida, pergunto a ele qual é seu frango frito não-Popeyes favorito. Não demorou muito. Ele nomeia o robusto Willie Mae's Scotch House de Nova Orleans. O frango frito deles é, diz ele, "de morrer".

Mas é melhor do que Popeyes?

"Sem comentários. Você nunca começa uma luta que não pode terminar, e eu não vou começar essa merda. "


A venda recente do Popeyes está assustando os fãs de chefs famosos

A rede de frango frito é a favorita dos gourmets que estão preocupados que seu novo proprietário corporativo possa mudar suas queridas receitas.

Alex Van Buren

Ilustração fotográfica de Sarah Rogers / The Daily Beast

“Eu não como fast food”, diz o chef Isaac Toups do Cajun New Orleans. Exceto por “asterisco, Popeyes”.

o Top Chef O finalista e indicado ao prêmio James Beard não tem vergonha de seu amor descarado pelo frango frito no Popeyes Louisiana Kitchen. Porque? Talvez, ele pondera, seja porque "há muito mais amor nisso."

Toups não está sozinho. Popeyes pode ser o fast food de criptonita para a atual geração de chefs famosos que declararam publicamente sua fraqueza pelo frango super crocante da rede. O chef David Chang do Momofuku é um grande fã. Anthony Bourdain também.

Alguém poderia argumentar que não é um amor puramente racional e é uma obsessão limítrofe. “Algumas pessoas diriam que Bojangles’ é melhor ”, cometo o erro de mencionar a Toups, pensando no afeto do chef Ashley Christensen de Raleigh pelo estabelecimento de frangos da Costa Leste.

“Essas pessoas estão erradas”, desabafa Toups, alarmado. “Essas pessoas estão erradas, e esse é o fim da história.”

Momentos depois, ele admite, um pouco desanimado, "Eu nunca comi Bojangles '."

Eu trago outro ponto sensível. Restaurant Brands International, a enorme corporação que possui Burger King e Tim Hortons, acabou de comprar Popeyes algumas semanas atrás - por US $ 1,8 bilhão, o que compraria uma miríade de caixas de frango de três peças - e Toups está entre os fiéis dos Popeyes que estão em um um pouco de pânico de que as coisas possam mudar.

Este não é um debate acadêmico. A Toups é cliente regular da cadeia de restaurantes. Ele e sua esposa estão criando seus filhos com refeições caseiras, o que eles trazem para casa de seus dois restaurantes - Toups 'Meatery e Toups South - e, claro, um banquete mensal de Popeyes fortificante.

“Sempre pego três pedaços de carne escura picante com purê de batata”, diz ele. “Minha esposa ganha tiras enegrecidas com feijão verde, e meus filhos ganham uma grande pilha de assados ​​de frango.”

Ele me instrui que o melhor é comer purê de batata misturado com molho e pedacinhos de pele de frango frito torrados. Ele me informa que a melhor parte do biscoito é a crosta, que é onde se esconde todo o sabor da manteiga. E ele acrescenta: “Se eu voltar para casa sem uma pilha de mostarda Mardi Gras ... Isaac Toups vai voltar para Popeyes”.

Agora Eu estou ficando preocupado. "Mostarda Mardi Gras?" Nunca ouvi falar desse condimento. Estou perdendo algum item secreto fora do menu? Afinal de contas, Popeyes era a base de minha dieta frugal quando morei em um estúdio com aluguel estabilizado no centro do Brooklyn por oito anos de vida difícil, dos meus vinte e trinta anos. Eu voltaria para casa tarde e compraria um peito de frango - um idiota ingênuo, optei por carne branca, e nem especifiquei leve ou picante - e um biscoito. Era uma caminhada de dois minutos do meu apartamento e o antídoto para certas ressacas. Eu estava grato por sua proximidade e seus poderes para absorver álcool, mas a comida era realmente boa? Ou eram apenas minhas memórias cor de rosa tarde da noite?

Então, embora já fizesse anos, eu tive que voltar e fazer Popeyes corretamente com, naturalmente, mostarda Mardi Gras. Em uma noite de 20 graus, alguns dias após a notícia da aquisição, meu namorado e eu embarcamos em um ônibus do Brooklyn que ia de porta em porta para um Popeyes a 2 milhas de distância. O ônibus parou no trânsito. Meu namorado começou a murmurar tristemente sobre frango frito por baixo de suas muitas camadas. Nós rolamos vorazes e gelados. Quatro pedaços de frango escuro, picante, por favor, mais purê de batata e todos os molhos que tinham atrás do balcão. Além disso, aquela caixa de $ 5 de camarão frito.

“Vou pegar meu próprio biscoito?” meu namorado perguntou, alarmado. Ele é da Flórida e teve sua cota de Popeyes. (Sim querido.)

As caixas de frango foram colocadas em nossa bandeja de plástico azul do refeitório em poucos minutos. Os biscoitos estavam quentes e fofos. A mostarda Mardi Gras, ao que parece, é uma mistura apimentada de maionese e mostarda, e muito boa. O frango estava quente e suculento - Toups acha que Popeyes foi um dos primeiros a fazer o jogo de frango com CVap (tecnologia de vapor controlado), embora ele não tenha certeza - e a pele estava tão boa quanto eu me lembrava: pequenos estalos, salgados e super crocantes. Dividir nosso pássaro entre o molho de leitelho (um remendo de molho de rancho) e a picante mostarda Mardi Gras provou ser o caminho a percorrer. O purê de batata ainda tem gosto de produtos químicos, mas os pedaços de pele de frango frito ajudam. Os camarões eram camarões e, portanto, desapareceram rapidamente.

Honestamente, é só isso prazeroso na Popeyes Louisiana Kitchen, comecei a pensar. Essas paredes laranja! Aquela música maluca de trompete que me lembra de New Orleans! Mas talvez não tenhamos comido frango suficiente. Duas peças foram suficientes? Outra caixa de três peças? Outro quarteto? Isso é loucura?

“Talvez devêssemos apenas levantar e tentar andar por um segundo,” propus. Meu namorado concordou e nós formamos camadas. Meu casaco de repente estava um pouco mais apertado em volta da minha barriga.

“Talvez devêssemos simplesmente sair daqui o mais rápido que pudermos,” eu disse.

"Merda, cara", disse meu namorado quando entramos em um woomph do ar ártico. “Agora estou meio chateado por ter redescoberto Popeyes.”

Toups, por sua vez, está preocupado se a Restaurants Brands International mudará as receitas da marca, mas teremos que esperar até que a aquisição seja concluída - provavelmente nesta primavera - para ver se isso realmente acontece.

Na despedida, pergunto a ele qual é seu frango frito não-Popeyes favorito. Não demorou muito. Ele nomeia o robusto Willie Mae's Scotch House de Nova Orleans. O frango frito deles, diz ele, é "de morrer".

Mas é melhor do que Popeyes?

"Sem comentários. Você nunca começa uma luta que não pode terminar, e eu não vou começar essa merda. "


A venda recente do Popeyes está assustando os fãs de chefs famosos

A rede de frango frito é a favorita dos gourmets que estão preocupados que seu novo proprietário corporativo possa mudar suas queridas receitas.

Alex Van Buren

Ilustração fotográfica de Sarah Rogers / The Daily Beast

“Eu não como fast food”, diz o chef Isaac Toups do Cajun New Orleans. Exceto por "asterisco, Popeyes".

o Top Chef O finalista e indicado ao prêmio James Beard não tem vergonha de seu amor descarado pelo frango frito no Popeyes Louisiana Kitchen. Porque? Talvez, ele pondera, seja porque "há muito mais amor nisso."

Toups não está sozinho. Popeyes pode ser o fast food de criptonita para a atual geração de chefs famosos que declararam publicamente sua fraqueza pelo frango super crocante da rede. O chef David Chang do Momofuku é um grande fã. Anthony Bourdain também.

Alguém poderia argumentar que não é um amor puramente racional e é uma obsessão limítrofe. “Algumas pessoas diriam que Bojangles’ é melhor ”, cometo o erro de mencionar a Toups, pensando no afeto do chef Ashley Christensen de Raleigh pelo estabelecimento de frangos da Costa Leste.

“Essas pessoas estão erradas”, desabafa Toups, alarmado. “Essas pessoas estão erradas, e esse é o fim da história.”

Momentos depois, ele admite, um pouco desanimado, "Eu nunca comi Bojangles '."

Eu trago outro ponto sensível. Restaurant Brands International, a enorme corporação que possui Burger King e Tim Hortons, acabou de comprar Popeyes algumas semanas atrás - por US $ 1,8 bilhão, o que compraria uma miríade de caixas de frango de três peças - e Toups está entre os fiéis dos Popeyes que estão em um um pouco de pânico de que as coisas possam mudar.

Este não é um debate acadêmico. A Toups é cliente regular da cadeia de restaurantes. Ele e sua esposa estão criando seus filhos com refeições caseiras, o que eles trazem para casa de seus dois restaurantes - Toups 'Meatery e Toups South - e, claro, um banquete mensal fortificante dos Popeyes.

“Sempre pego três pedaços de carne escura picante com purê de batata”, diz ele. “Minha esposa ganha tiras enegrecidas com feijão verde, e meus filhos ganham uma grande pilha de assados ​​de frango.”

Ele me instrui que o melhor é comer purê de batata com molho e pedacinhos de pele de frango frito crocantes. Ele me informa que a melhor parte do biscoito é a crosta, que é onde se esconde todo o sabor da manteiga. E ele acrescenta: “Se eu voltar para casa sem uma pilha de mostarda Mardi Gras ... Isaac Toups vai voltar para Popeyes”.

Agora Eu estou ficando preocupado. "Mostarda Mardi Gras?" Nunca ouvi falar desse condimento. Estou perdendo algum item secreto fora do menu? Afinal de contas, Popeyes era a base de minha dieta frugal quando morei em um estúdio com aluguel estabilizado no centro do Brooklyn por oito anos de vida difícil, dos meus vinte e trinta anos. Eu voltaria para casa tarde e compraria um peito de frango - um idiota ingênuo, optei por carne branca, e nem especifiquei leve ou picante - e um biscoito. Era uma caminhada de dois minutos do meu apartamento e o antídoto para certas ressacas. Eu estava grato por sua proximidade e seus poderes para absorver álcool, mas a comida era realmente boa? Ou eram apenas minhas memórias cor de rosa tarde da noite?

Então, embora já fizesse anos, eu tive que voltar e fazer Popeyes corretamente com, naturalmente, mostarda Mardi Gras. Em uma noite de 20 graus, alguns dias após a notícia da aquisição, meu namorado e eu embarcamos em um ônibus do Brooklyn que ia de porta em porta para um Popeyes a 2 milhas de distância. O ônibus parou no trânsito. Meu namorado começou a murmurar tristemente sobre frango frito por baixo de suas muitas camadas. Nós rolamos vorazes e gelados. Quatro pedaços de frango escuro, picante, por favor, mais purê de batata e todos os molhos que tinham atrás do balcão. Além disso, aquela caixa de $ 5 de camarão frito.

“Vou pegar meu próprio biscoito?” meu namorado perguntou, alarmado. Ele é da Flórida e teve sua cota de Popeyes. (Sim querido.)

As caixas de frango foram colocadas em nossa bandeja de plástico azul do refeitório em poucos minutos. Os biscoitos estavam quentes e fofos. A mostarda Mardi Gras, ao que parece, é uma mistura apimentada de maionese e mostarda, e muito boa. O frango estava quente e suculento - Toups acha que Popeyes foi um dos primeiros a fazer o jogo de frango com CVap (tecnologia de vapor controlado), embora ele não tenha certeza - e a pele estava tão boa quanto eu me lembrava: pequenos estalos, salgados e super crocantes. Dividir nosso pássaro entre o molho de leitelho (um remendo de molho de rancho) e a picante mostarda Mardi Gras provou ser o caminho a percorrer. O purê de batata ainda tem gosto de produtos químicos, mas os pedaços de pele de frango frito ajudam. Os camarões eram camarões e, portanto, desapareceram rapidamente.

Honestamente, é só isso prazeroso na Popeyes Louisiana Kitchen, comecei a pensar. Essas paredes laranja! Aquela música maluca de trompete que me lembra de New Orleans! Mas talvez não tenhamos comido frango suficiente. Duas peças foram suficientes? Outra caixa de três peças? Outro quarteto? Isso é loucura?

“Talvez devêssemos apenas levantar e tentar andar por um segundo,” propus. Meu namorado concordou e nós formamos camadas. Meu casaco de repente estava um pouco mais apertado em volta da minha barriga.

“Talvez devêssemos simplesmente sair daqui o mais rápido que pudermos,” eu disse.

"Merda, cara", disse meu namorado quando entramos em um woomph do ar ártico. “Agora estou meio chateado por ter redescoberto Popeyes.”

Toups, por sua vez, está preocupado se a Restaurants Brands International mudará as receitas da marca, mas teremos que esperar até que a aquisição seja concluída - provavelmente nesta primavera - para ver se isso realmente acontece.

Na despedida, pergunto a ele qual é seu frango frito não-Popeyes favorito. Não demorou muito. Ele nomeia o robusto Willie Mae's Scotch House de Nova Orleans. O frango frito deles, diz ele, é "de morrer".

Mas é melhor do que Popeyes?

"Sem comentários. Você nunca começa uma luta que não pode terminar, e eu não vou começar essa merda. "


A venda recente do Popeyes está assustando os fãs de chefs famosos

A rede de frango frito é a favorita dos gourmets que estão preocupados que seu novo proprietário corporativo possa mudar suas queridas receitas.

Alex Van Buren

Ilustração fotográfica de Sarah Rogers / The Daily Beast

“Eu não como fast food”, diz o chef Isaac Toups do Cajun New Orleans. Exceto por "asterisco, Popeyes".

o Top Chef O finalista e indicado ao prêmio James Beard não tem vergonha de seu amor descarado pelo frango frito no Popeyes Louisiana Kitchen. Porque? Talvez, ele pondera, seja porque "há muito mais amor nisso."

Toups não está sozinho. Popeyes pode ser o fast food de criptonita para a atual geração de chefs famosos que declararam publicamente sua fraqueza pelo frango super crocante da rede. O chef David Chang do Momofuku é um grande fã. Anthony Bourdain também.

Alguém poderia argumentar que não é um amor puramente racional e é uma obsessão limítrofe. “Algumas pessoas diriam que Bojangles’ é melhor ”, cometo o erro de mencionar a Toups, pensando no afeto do chef Ashley Christensen de Raleigh pelo estabelecimento de frangos da Costa Leste.

“Essas pessoas estão erradas”, desabafa Toups, alarmado. “Essas pessoas estão erradas, e esse é o fim da história.”

Momentos depois, ele admite, um pouco desanimado, "Eu nunca comi Bojangles '."

Eu trago outro ponto sensível. Restaurant Brands International, a enorme corporação que possui Burger King e Tim Hortons, acabou de comprar Popeyes algumas semanas atrás - por US $ 1,8 bilhão, o que compraria uma miríade de caixas de frango de três peças - e Toups está entre os fiéis dos Popeyes que estão em um um pouco de pânico de que as coisas possam mudar.

Este não é um debate acadêmico. A Toups é cliente regular da cadeia de restaurantes. Ele e sua esposa estão criando seus filhos com refeições caseiras, o que eles trazem para casa de seus dois restaurantes - Toups 'Meatery e Toups South - e, claro, um banquete mensal fortificante dos Popeyes.

“Sempre pego três pedaços de carne escura picante com purê de batata”, diz ele. “Minha esposa ganha tiras enegrecidas com feijão verde, e meus filhos ganham uma grande pilha de assados ​​de frango.”

Ele me instrui que o melhor é comer purê de batata com molho e pedacinhos de pele de frango frito crocantes. Ele me informa que a melhor parte do biscoito é a crosta, que é onde se esconde todo o sabor da manteiga. E ele acrescenta: “Se eu voltar para casa sem uma pilha de mostarda Mardi Gras ... Isaac Toups vai voltar para Popeyes”.

Agora Eu estou ficando preocupado. "Mostarda Mardi Gras?" Nunca ouvi falar desse condimento. Estou perdendo algum item secreto fora do menu? Afinal de contas, Popeyes era a base de minha dieta frugal quando morei em um estúdio com aluguel estabilizado no centro do Brooklyn por oito anos de vida difícil, dos meus vinte e trinta anos. Eu voltaria para casa tarde e compraria um peito de frango - um idiota ingênuo, optei por carne branca, e nem especifiquei leve ou picante - e um biscoito. Era uma caminhada de dois minutos do meu apartamento e o antídoto para certas ressacas. Eu estava grato por sua proximidade e seus poderes para absorver álcool, mas a comida era realmente boa? Ou eram apenas minhas memórias cor de rosa tarde da noite?

Então, embora já fizesse anos, eu tive que voltar e fazer Popeyes corretamente com, naturalmente, mostarda Mardi Gras. Em uma noite de 20 graus, alguns dias após a notícia da aquisição, meu namorado e eu embarcamos em um ônibus do Brooklyn que ia de porta em porta para um Popeyes a 2 milhas de distância. O ônibus parou no trânsito. Meu namorado começou a murmurar tristemente sobre frango frito por baixo de suas muitas camadas. Nós rolamos vorazes e gelados. Quatro pedaços de frango escuro, picante, por favor, mais purê de batata e todos os molhos que tinham atrás do balcão. Além disso, aquela caixa de $ 5 de camarão frito.

“Vou pegar meu próprio biscoito?” meu namorado perguntou, alarmado. Ele é da Flórida e teve sua cota de Popeyes. (Sim querido.)

As caixas de frango foram colocadas em nossa bandeja de plástico azul do refeitório em poucos minutos. Os biscoitos estavam quentes e fofos. A mostarda Mardi Gras, ao que parece, é uma mistura apimentada de maionese e mostarda, e muito boa. O frango estava quente e suculento - Toups acha que Popeyes foi um dos primeiros a fazer o jogo de frango com CVap (tecnologia de vapor controlado), embora ele não tenha certeza - e a pele estava tão boa quanto eu me lembrava: pequenos estalos, salgados e super crocantes. Dividir nosso pássaro entre o molho de leitelho (um remendo de molho de rancho) e a picante mostarda Mardi Gras provou ser o caminho a percorrer. O purê de batata ainda tem gosto de produtos químicos, mas os pedaços de pele de frango frito ajudam. Os camarões eram camarões e, portanto, desapareceram rapidamente.

Honestamente, é só isso prazeroso na Popeyes Louisiana Kitchen, comecei a pensar. Essas paredes laranja! Aquela música maluca de trompete que me lembra de New Orleans! Mas talvez não tenhamos comido frango suficiente. Duas peças foram suficientes? Outra caixa de três peças? Outro quarteto? Isso é loucura?

“Talvez devêssemos apenas levantar e tentar andar por um segundo,” propus. Meu namorado concordou e nós formamos camadas. Meu casaco de repente estava um pouco mais apertado em volta da minha barriga.

“Talvez devêssemos simplesmente sair daqui o mais rápido que pudermos,” eu disse.

"Merda, cara", disse meu namorado quando entramos em um woomph do ar ártico. “Agora estou meio chateado por ter redescoberto Popeyes.”

Toups, por sua vez, está preocupado se a Restaurants Brands International mudará as receitas da marca, mas teremos que esperar até que a aquisição seja concluída - provavelmente nesta primavera - para ver se isso realmente acontece.

Na despedida, pergunto a ele qual é seu frango frito não-Popeyes favorito. Não demorou muito. Ele nomeia o robusto Willie Mae's Scotch House de Nova Orleans. O frango frito deles, diz ele, é "de morrer".

Mas é melhor do que Popeyes?

"Sem comentários. Você nunca começa uma luta que não pode terminar, e eu não vou começar essa merda. "


A venda recente do Popeyes está assustando os fãs de chefs famosos

A rede de frango frito é a favorita dos gourmets que estão preocupados que seu novo proprietário corporativo possa mudar suas queridas receitas.

Alex Van Buren

Photo Illustration by Sarah Rogers/The Daily Beast

“I do not eat fast food,” says Cajun New Orleans chef Isaac Toups. That is except for “asterisk, Popeyes.”

o Top Chef finalist and James Beard Award nominee is unashamed of his unabashed love for the fried chicken at Popeyes Louisiana Kitchen. Porque? Perhaps, he muses, it’s because “there’s so much more lovin’ to it.”

Toups isn’t alone. Popeyes may be the kryptonite fast food for the current generation of celebrity chefs who have publicly declared their weakness for the chain’s super crispy chicken. Momofuku chef David Chang is a huge fan. So is Anthony Bourdain.

One could argue that it is not a purely rational love and is a borderline obsession. “Some people would say Bojangles’ is better,” I make the mistake of mentioning to Toups, thinking of Raleigh chef Ashley Christensen’s affection for the East Coast chicken establishment.

“Those people are wrong,” blurts Toups, alarmed. “Those people are fucking wrong, and that’s the end of the story.”

Moments later, he admits, slightly deflated, “I’ve never eaten Bojangles’.”

I bring up another sore point. Restaurant Brands International, the massive corporation that owns Burger King and Tim Hortons, just purchased Popeyes a couple weeks ago—for a cool $1.8 billion, which would buy myriad three-piece chicken boxes—and Toups is among the Popeyes faithful that are in a bit of a panic that things might change.

This isn’t some academic debate. Toups is a regular customer of the restaurant chain. He and his wife are raising their children on home-cooked meals, what they bring home from their two restaurants—Toups’ Meatery and Toups South—and, of course, a fortifying monthly Popeyes feast.

“I always get a three-piece of dark spicy meat with mashed potatoes,” he says. “My wife gets blackened strips with green beans, and my children get a big pile of chicken tenders.”

He instructs me that the mashed potatoes are best eaten laced with gravy and crackling bits of fried chicken skin stirred in. He informs me that the best part of the biscuit is the crust, which is where all the butter flavor lurks. And, he adds, “If I return home without a pile of Mardi Gras mustard… Isaac Toups is going back to Popeyes.”

Now I’m getting concerned. “Mardi Gras mustard?” I have never heard of this condiment. Have I been missing some secret off-the-menu item? Popeyes was after all a staple of my frugal diet when I lived in a rent-stabilized studio in downtown Brooklyn for eight hard-living years of my twenties and thirties. I’d roll home late and pick up one chicken breast—a naïve fool, I went for white meat, and didn’t even specify mild or spicy—and a biscuit. It was a two-minute walk from my apartment and the antidote to certain hangovers. I was grateful for its proximity and its powers to soak up alcohol but was the food actually good? Or was it just my rose-colored late-night memories?

So, although it’d been years, I had to return and do Popeyes correctly with, naturally, Mardi Gras mustard. On a 20-degree night a few days after the acquisition news broke, my boyfriend and I boarded a Brooklyn bus that went door-to-door to a Popeyes 2 miles away. The bus stalled in traffic. My boyfriend began to murmur sadly about fried chicken from beneath his many layers. We rolled in ravenous and freezing. Four pieces of dark chicken, spicy, please, plus mashed potatoes and every single sauce they had behind the counter. Also, that $5 box of fried shrimp.

“Will I get my own biscuit?” my boyfriend asked, alarmed. He’s from Florida, and has had his share of Popeyes. (Yes, dear.)

The boxes of chicken were plunked down on our blue plastic cafeteria tray within minutes. The biscuits were hot and plush. Mardi Gras mustard, it turns out, is a spicy mix of mayo and mustard, and damn good. The chicken was hot and juicy—Toups thinks Popeyes was among the first to CVap (controlled vapor technology) chicken game, although he’s not sure—and the skin was as good as I remembered: tiny crackles, salty and super-crisp. Divvying up our bird between the buttermilk sauce (a riff on ranch dressing) and the spicy Mardi Gras mustard proved the way to go. The mashed potatoes still taste like chemicals, but the bits of fried chicken skin help. The shrimp were shrimp, and thus disappeared quickly.

Honestly it’s just so pleasant at Popeyes Louisiana Kitchen, I began to think. These orange walls! That wacky trumpet music that reminds me of New Orleans! But maybe we hadn’t gotten enough chicken. Was two pieces each sufficient? Another three-piece box? Another four-piece? Is that insane?

“Maybe we should just get up and try to walk for a second,” I proposed. My boyfriend agreed and we layered up. My coat was suddenly a bit tighter around my belly.

“Maybe we should just get out of here as fast as we can,” I said.

“Shit, man,” my boyfriend said as we walked into a woomph of arctic air. “Now I’m kind of upset that I’ve rediscovered Popeyes.”

Toups, for his part, is worried about whether Restaurants Brands International will change the brand’s recipes, but we will have to wait until the takeover is complete—likely this spring—to see if that actually happens.

In parting, I ask him what is his favorite non-Popeyes fried chicken. It doesn’t take him long. He names New Orleans’ stalwart Willie Mae’s Scotch House. Their fried chicken is, he says, “to die for.”

But is it better than Popeyes?

“No comment. You never start a fight you can’t finish, and I ain’t starting that shit.”


Popeyes’ Recent Sale Is Scaring Its Celebrity Chef Fans

The fried chicken chain is a favorite of foodies who are worried its new corporate owner may change its beloved recipes.

Alex Van Buren

Photo Illustration by Sarah Rogers/The Daily Beast

“I do not eat fast food,” says Cajun New Orleans chef Isaac Toups. That is except for “asterisk, Popeyes.”

o Top Chef finalist and James Beard Award nominee is unashamed of his unabashed love for the fried chicken at Popeyes Louisiana Kitchen. Porque? Perhaps, he muses, it’s because “there’s so much more lovin’ to it.”

Toups isn’t alone. Popeyes may be the kryptonite fast food for the current generation of celebrity chefs who have publicly declared their weakness for the chain’s super crispy chicken. Momofuku chef David Chang is a huge fan. So is Anthony Bourdain.

One could argue that it is not a purely rational love and is a borderline obsession. “Some people would say Bojangles’ is better,” I make the mistake of mentioning to Toups, thinking of Raleigh chef Ashley Christensen’s affection for the East Coast chicken establishment.

“Those people are wrong,” blurts Toups, alarmed. “Those people are fucking wrong, and that’s the end of the story.”

Moments later, he admits, slightly deflated, “I’ve never eaten Bojangles’.”

I bring up another sore point. Restaurant Brands International, the massive corporation that owns Burger King and Tim Hortons, just purchased Popeyes a couple weeks ago—for a cool $1.8 billion, which would buy myriad three-piece chicken boxes—and Toups is among the Popeyes faithful that are in a bit of a panic that things might change.

This isn’t some academic debate. Toups is a regular customer of the restaurant chain. He and his wife are raising their children on home-cooked meals, what they bring home from their two restaurants—Toups’ Meatery and Toups South—and, of course, a fortifying monthly Popeyes feast.

“I always get a three-piece of dark spicy meat with mashed potatoes,” he says. “My wife gets blackened strips with green beans, and my children get a big pile of chicken tenders.”

He instructs me that the mashed potatoes are best eaten laced with gravy and crackling bits of fried chicken skin stirred in. He informs me that the best part of the biscuit is the crust, which is where all the butter flavor lurks. And, he adds, “If I return home without a pile of Mardi Gras mustard… Isaac Toups is going back to Popeyes.”

Now I’m getting concerned. “Mardi Gras mustard?” I have never heard of this condiment. Have I been missing some secret off-the-menu item? Popeyes was after all a staple of my frugal diet when I lived in a rent-stabilized studio in downtown Brooklyn for eight hard-living years of my twenties and thirties. I’d roll home late and pick up one chicken breast—a naïve fool, I went for white meat, and didn’t even specify mild or spicy—and a biscuit. It was a two-minute walk from my apartment and the antidote to certain hangovers. I was grateful for its proximity and its powers to soak up alcohol but was the food actually good? Or was it just my rose-colored late-night memories?

So, although it’d been years, I had to return and do Popeyes correctly with, naturally, Mardi Gras mustard. On a 20-degree night a few days after the acquisition news broke, my boyfriend and I boarded a Brooklyn bus that went door-to-door to a Popeyes 2 miles away. The bus stalled in traffic. My boyfriend began to murmur sadly about fried chicken from beneath his many layers. We rolled in ravenous and freezing. Four pieces of dark chicken, spicy, please, plus mashed potatoes and every single sauce they had behind the counter. Also, that $5 box of fried shrimp.

“Will I get my own biscuit?” my boyfriend asked, alarmed. He’s from Florida, and has had his share of Popeyes. (Yes, dear.)

The boxes of chicken were plunked down on our blue plastic cafeteria tray within minutes. The biscuits were hot and plush. Mardi Gras mustard, it turns out, is a spicy mix of mayo and mustard, and damn good. The chicken was hot and juicy—Toups thinks Popeyes was among the first to CVap (controlled vapor technology) chicken game, although he’s not sure—and the skin was as good as I remembered: tiny crackles, salty and super-crisp. Divvying up our bird between the buttermilk sauce (a riff on ranch dressing) and the spicy Mardi Gras mustard proved the way to go. The mashed potatoes still taste like chemicals, but the bits of fried chicken skin help. The shrimp were shrimp, and thus disappeared quickly.

Honestly it’s just so pleasant at Popeyes Louisiana Kitchen, I began to think. These orange walls! That wacky trumpet music that reminds me of New Orleans! But maybe we hadn’t gotten enough chicken. Was two pieces each sufficient? Another three-piece box? Another four-piece? Is that insane?

“Maybe we should just get up and try to walk for a second,” I proposed. My boyfriend agreed and we layered up. My coat was suddenly a bit tighter around my belly.

“Maybe we should just get out of here as fast as we can,” I said.

“Shit, man,” my boyfriend said as we walked into a woomph of arctic air. “Now I’m kind of upset that I’ve rediscovered Popeyes.”

Toups, for his part, is worried about whether Restaurants Brands International will change the brand’s recipes, but we will have to wait until the takeover is complete—likely this spring—to see if that actually happens.

In parting, I ask him what is his favorite non-Popeyes fried chicken. It doesn’t take him long. He names New Orleans’ stalwart Willie Mae’s Scotch House. Their fried chicken is, he says, “to die for.”

But is it better than Popeyes?

“No comment. You never start a fight you can’t finish, and I ain’t starting that shit.”


Popeyes’ Recent Sale Is Scaring Its Celebrity Chef Fans

The fried chicken chain is a favorite of foodies who are worried its new corporate owner may change its beloved recipes.

Alex Van Buren

Photo Illustration by Sarah Rogers/The Daily Beast

“I do not eat fast food,” says Cajun New Orleans chef Isaac Toups. That is except for “asterisk, Popeyes.”

o Top Chef finalist and James Beard Award nominee is unashamed of his unabashed love for the fried chicken at Popeyes Louisiana Kitchen. Porque? Perhaps, he muses, it’s because “there’s so much more lovin’ to it.”

Toups isn’t alone. Popeyes may be the kryptonite fast food for the current generation of celebrity chefs who have publicly declared their weakness for the chain’s super crispy chicken. Momofuku chef David Chang is a huge fan. So is Anthony Bourdain.

One could argue that it is not a purely rational love and is a borderline obsession. “Some people would say Bojangles’ is better,” I make the mistake of mentioning to Toups, thinking of Raleigh chef Ashley Christensen’s affection for the East Coast chicken establishment.

“Those people are wrong,” blurts Toups, alarmed. “Those people are fucking wrong, and that’s the end of the story.”

Moments later, he admits, slightly deflated, “I’ve never eaten Bojangles’.”

I bring up another sore point. Restaurant Brands International, the massive corporation that owns Burger King and Tim Hortons, just purchased Popeyes a couple weeks ago—for a cool $1.8 billion, which would buy myriad three-piece chicken boxes—and Toups is among the Popeyes faithful that are in a bit of a panic that things might change.

This isn’t some academic debate. Toups is a regular customer of the restaurant chain. He and his wife are raising their children on home-cooked meals, what they bring home from their two restaurants—Toups’ Meatery and Toups South—and, of course, a fortifying monthly Popeyes feast.

“I always get a three-piece of dark spicy meat with mashed potatoes,” he says. “My wife gets blackened strips with green beans, and my children get a big pile of chicken tenders.”

He instructs me that the mashed potatoes are best eaten laced with gravy and crackling bits of fried chicken skin stirred in. He informs me that the best part of the biscuit is the crust, which is where all the butter flavor lurks. And, he adds, “If I return home without a pile of Mardi Gras mustard… Isaac Toups is going back to Popeyes.”

Now I’m getting concerned. “Mardi Gras mustard?” I have never heard of this condiment. Have I been missing some secret off-the-menu item? Popeyes was after all a staple of my frugal diet when I lived in a rent-stabilized studio in downtown Brooklyn for eight hard-living years of my twenties and thirties. I’d roll home late and pick up one chicken breast—a naïve fool, I went for white meat, and didn’t even specify mild or spicy—and a biscuit. It was a two-minute walk from my apartment and the antidote to certain hangovers. I was grateful for its proximity and its powers to soak up alcohol but was the food actually good? Or was it just my rose-colored late-night memories?

So, although it’d been years, I had to return and do Popeyes correctly with, naturally, Mardi Gras mustard. On a 20-degree night a few days after the acquisition news broke, my boyfriend and I boarded a Brooklyn bus that went door-to-door to a Popeyes 2 miles away. The bus stalled in traffic. My boyfriend began to murmur sadly about fried chicken from beneath his many layers. We rolled in ravenous and freezing. Four pieces of dark chicken, spicy, please, plus mashed potatoes and every single sauce they had behind the counter. Also, that $5 box of fried shrimp.

“Will I get my own biscuit?” my boyfriend asked, alarmed. He’s from Florida, and has had his share of Popeyes. (Yes, dear.)

The boxes of chicken were plunked down on our blue plastic cafeteria tray within minutes. The biscuits were hot and plush. Mardi Gras mustard, it turns out, is a spicy mix of mayo and mustard, and damn good. The chicken was hot and juicy—Toups thinks Popeyes was among the first to CVap (controlled vapor technology) chicken game, although he’s not sure—and the skin was as good as I remembered: tiny crackles, salty and super-crisp. Divvying up our bird between the buttermilk sauce (a riff on ranch dressing) and the spicy Mardi Gras mustard proved the way to go. The mashed potatoes still taste like chemicals, but the bits of fried chicken skin help. The shrimp were shrimp, and thus disappeared quickly.

Honestly it’s just so pleasant at Popeyes Louisiana Kitchen, I began to think. These orange walls! That wacky trumpet music that reminds me of New Orleans! But maybe we hadn’t gotten enough chicken. Was two pieces each sufficient? Another three-piece box? Another four-piece? Is that insane?

“Maybe we should just get up and try to walk for a second,” I proposed. My boyfriend agreed and we layered up. My coat was suddenly a bit tighter around my belly.

“Maybe we should just get out of here as fast as we can,” I said.

“Shit, man,” my boyfriend said as we walked into a woomph of arctic air. “Now I’m kind of upset that I’ve rediscovered Popeyes.”

Toups, for his part, is worried about whether Restaurants Brands International will change the brand’s recipes, but we will have to wait until the takeover is complete—likely this spring—to see if that actually happens.

In parting, I ask him what is his favorite non-Popeyes fried chicken. It doesn’t take him long. He names New Orleans’ stalwart Willie Mae’s Scotch House. Their fried chicken is, he says, “to die for.”

But is it better than Popeyes?

“No comment. You never start a fight you can’t finish, and I ain’t starting that shit.”


Popeyes’ Recent Sale Is Scaring Its Celebrity Chef Fans

The fried chicken chain is a favorite of foodies who are worried its new corporate owner may change its beloved recipes.

Alex Van Buren

Photo Illustration by Sarah Rogers/The Daily Beast

“I do not eat fast food,” says Cajun New Orleans chef Isaac Toups. That is except for “asterisk, Popeyes.”

o Top Chef finalist and James Beard Award nominee is unashamed of his unabashed love for the fried chicken at Popeyes Louisiana Kitchen. Porque? Perhaps, he muses, it’s because “there’s so much more lovin’ to it.”

Toups isn’t alone. Popeyes may be the kryptonite fast food for the current generation of celebrity chefs who have publicly declared their weakness for the chain’s super crispy chicken. Momofuku chef David Chang is a huge fan. So is Anthony Bourdain.

One could argue that it is not a purely rational love and is a borderline obsession. “Some people would say Bojangles’ is better,” I make the mistake of mentioning to Toups, thinking of Raleigh chef Ashley Christensen’s affection for the East Coast chicken establishment.

“Those people are wrong,” blurts Toups, alarmed. “Those people are fucking wrong, and that’s the end of the story.”

Moments later, he admits, slightly deflated, “I’ve never eaten Bojangles’.”

I bring up another sore point. Restaurant Brands International, the massive corporation that owns Burger King and Tim Hortons, just purchased Popeyes a couple weeks ago—for a cool $1.8 billion, which would buy myriad three-piece chicken boxes—and Toups is among the Popeyes faithful that are in a bit of a panic that things might change.

This isn’t some academic debate. Toups is a regular customer of the restaurant chain. He and his wife are raising their children on home-cooked meals, what they bring home from their two restaurants—Toups’ Meatery and Toups South—and, of course, a fortifying monthly Popeyes feast.

“I always get a three-piece of dark spicy meat with mashed potatoes,” he says. “My wife gets blackened strips with green beans, and my children get a big pile of chicken tenders.”

He instructs me that the mashed potatoes are best eaten laced with gravy and crackling bits of fried chicken skin stirred in. He informs me that the best part of the biscuit is the crust, which is where all the butter flavor lurks. And, he adds, “If I return home without a pile of Mardi Gras mustard… Isaac Toups is going back to Popeyes.”

Now I’m getting concerned. “Mardi Gras mustard?” I have never heard of this condiment. Have I been missing some secret off-the-menu item? Popeyes was after all a staple of my frugal diet when I lived in a rent-stabilized studio in downtown Brooklyn for eight hard-living years of my twenties and thirties. I’d roll home late and pick up one chicken breast—a naïve fool, I went for white meat, and didn’t even specify mild or spicy—and a biscuit. It was a two-minute walk from my apartment and the antidote to certain hangovers. I was grateful for its proximity and its powers to soak up alcohol but was the food actually good? Or was it just my rose-colored late-night memories?

So, although it’d been years, I had to return and do Popeyes correctly with, naturally, Mardi Gras mustard. On a 20-degree night a few days after the acquisition news broke, my boyfriend and I boarded a Brooklyn bus that went door-to-door to a Popeyes 2 miles away. The bus stalled in traffic. My boyfriend began to murmur sadly about fried chicken from beneath his many layers. We rolled in ravenous and freezing. Four pieces of dark chicken, spicy, please, plus mashed potatoes and every single sauce they had behind the counter. Also, that $5 box of fried shrimp.

“Will I get my own biscuit?” my boyfriend asked, alarmed. He’s from Florida, and has had his share of Popeyes. (Yes, dear.)

The boxes of chicken were plunked down on our blue plastic cafeteria tray within minutes. The biscuits were hot and plush. Mardi Gras mustard, it turns out, is a spicy mix of mayo and mustard, and damn good. The chicken was hot and juicy—Toups thinks Popeyes was among the first to CVap (controlled vapor technology) chicken game, although he’s not sure—and the skin was as good as I remembered: tiny crackles, salty and super-crisp. Divvying up our bird between the buttermilk sauce (a riff on ranch dressing) and the spicy Mardi Gras mustard proved the way to go. The mashed potatoes still taste like chemicals, but the bits of fried chicken skin help. The shrimp were shrimp, and thus disappeared quickly.

Honestly it’s just so pleasant at Popeyes Louisiana Kitchen, I began to think. These orange walls! That wacky trumpet music that reminds me of New Orleans! But maybe we hadn’t gotten enough chicken. Was two pieces each sufficient? Another three-piece box? Another four-piece? Is that insane?

“Maybe we should just get up and try to walk for a second,” I proposed. My boyfriend agreed and we layered up. My coat was suddenly a bit tighter around my belly.

“Maybe we should just get out of here as fast as we can,” I said.

“Shit, man,” my boyfriend said as we walked into a woomph of arctic air. “Now I’m kind of upset that I’ve rediscovered Popeyes.”

Toups, for his part, is worried about whether Restaurants Brands International will change the brand’s recipes, but we will have to wait until the takeover is complete—likely this spring—to see if that actually happens.

In parting, I ask him what is his favorite non-Popeyes fried chicken. It doesn’t take him long. He names New Orleans’ stalwart Willie Mae’s Scotch House. Their fried chicken is, he says, “to die for.”

But is it better than Popeyes?

“No comment. You never start a fight you can’t finish, and I ain’t starting that shit.”


Popeyes’ Recent Sale Is Scaring Its Celebrity Chef Fans

The fried chicken chain is a favorite of foodies who are worried its new corporate owner may change its beloved recipes.

Alex Van Buren

Photo Illustration by Sarah Rogers/The Daily Beast

“I do not eat fast food,” says Cajun New Orleans chef Isaac Toups. That is except for “asterisk, Popeyes.”

o Top Chef finalist and James Beard Award nominee is unashamed of his unabashed love for the fried chicken at Popeyes Louisiana Kitchen. Porque? Perhaps, he muses, it’s because “there’s so much more lovin’ to it.”

Toups isn’t alone. Popeyes may be the kryptonite fast food for the current generation of celebrity chefs who have publicly declared their weakness for the chain’s super crispy chicken. Momofuku chef David Chang is a huge fan. So is Anthony Bourdain.

One could argue that it is not a purely rational love and is a borderline obsession. “Some people would say Bojangles’ is better,” I make the mistake of mentioning to Toups, thinking of Raleigh chef Ashley Christensen’s affection for the East Coast chicken establishment.

“Those people are wrong,” blurts Toups, alarmed. “Those people are fucking wrong, and that’s the end of the story.”

Moments later, he admits, slightly deflated, “I’ve never eaten Bojangles’.”

I bring up another sore point. Restaurant Brands International, the massive corporation that owns Burger King and Tim Hortons, just purchased Popeyes a couple weeks ago—for a cool $1.8 billion, which would buy myriad three-piece chicken boxes—and Toups is among the Popeyes faithful that are in a bit of a panic that things might change.

This isn’t some academic debate. Toups is a regular customer of the restaurant chain. He and his wife are raising their children on home-cooked meals, what they bring home from their two restaurants—Toups’ Meatery and Toups South—and, of course, a fortifying monthly Popeyes feast.

“I always get a three-piece of dark spicy meat with mashed potatoes,” he says. “My wife gets blackened strips with green beans, and my children get a big pile of chicken tenders.”

He instructs me that the mashed potatoes are best eaten laced with gravy and crackling bits of fried chicken skin stirred in. He informs me that the best part of the biscuit is the crust, which is where all the butter flavor lurks. And, he adds, “If I return home without a pile of Mardi Gras mustard… Isaac Toups is going back to Popeyes.”

Now I’m getting concerned. “Mardi Gras mustard?” I have never heard of this condiment. Have I been missing some secret off-the-menu item? Popeyes was after all a staple of my frugal diet when I lived in a rent-stabilized studio in downtown Brooklyn for eight hard-living years of my twenties and thirties. I’d roll home late and pick up one chicken breast—a naïve fool, I went for white meat, and didn’t even specify mild or spicy—and a biscuit. It was a two-minute walk from my apartment and the antidote to certain hangovers. I was grateful for its proximity and its powers to soak up alcohol but was the food actually good? Or was it just my rose-colored late-night memories?

So, although it’d been years, I had to return and do Popeyes correctly with, naturally, Mardi Gras mustard. On a 20-degree night a few days after the acquisition news broke, my boyfriend and I boarded a Brooklyn bus that went door-to-door to a Popeyes 2 miles away. The bus stalled in traffic. My boyfriend began to murmur sadly about fried chicken from beneath his many layers. We rolled in ravenous and freezing. Four pieces of dark chicken, spicy, please, plus mashed potatoes and every single sauce they had behind the counter. Also, that $5 box of fried shrimp.

“Will I get my own biscuit?” my boyfriend asked, alarmed. He’s from Florida, and has had his share of Popeyes. (Yes, dear.)

The boxes of chicken were plunked down on our blue plastic cafeteria tray within minutes. The biscuits were hot and plush. Mardi Gras mustard, it turns out, is a spicy mix of mayo and mustard, and damn good. The chicken was hot and juicy—Toups thinks Popeyes was among the first to CVap (controlled vapor technology) chicken game, although he’s not sure—and the skin was as good as I remembered: tiny crackles, salty and super-crisp. Divvying up our bird between the buttermilk sauce (a riff on ranch dressing) and the spicy Mardi Gras mustard proved the way to go. The mashed potatoes still taste like chemicals, but the bits of fried chicken skin help. The shrimp were shrimp, and thus disappeared quickly.

Honestly it’s just so pleasant at Popeyes Louisiana Kitchen, I began to think. These orange walls! That wacky trumpet music that reminds me of New Orleans! But maybe we hadn’t gotten enough chicken. Was two pieces each sufficient? Another three-piece box? Another four-piece? Is that insane?

“Maybe we should just get up and try to walk for a second,” I proposed. My boyfriend agreed and we layered up. My coat was suddenly a bit tighter around my belly.

“Maybe we should just get out of here as fast as we can,” I said.

“Shit, man,” my boyfriend said as we walked into a woomph of arctic air. “Now I’m kind of upset that I’ve rediscovered Popeyes.”

Toups, for his part, is worried about whether Restaurants Brands International will change the brand’s recipes, but we will have to wait until the takeover is complete—likely this spring—to see if that actually happens.

In parting, I ask him what is his favorite non-Popeyes fried chicken. It doesn’t take him long. He names New Orleans’ stalwart Willie Mae’s Scotch House. Their fried chicken is, he says, “to die for.”

But is it better than Popeyes?

“No comment. You never start a fight you can’t finish, and I ain’t starting that shit.”


Assista o vídeo: Tim Hortons, Burger King merger? What you need to know. (Fevereiro 2023).